Em parceria inédita, MUBI leva programação do Canal Brasil para sua plataforma

Para inaugurar sua área de locações e também sua primeira parceria com um canal de TV no Brasil, a MUBI, plataforma de curadoria e streaming de filmes, anuncia o especial ‘Uma Odisseia pelo Cinema Brasileiro Contemporâneo by Canal Brasil’, a partir de 10 de julho, com a programação do Canal Brasil. Inicialmente, dez filmes, entre produções nacionais e latino-americanas, estarão disponíveis e poderão ser alugados tanto por assinantes, como por não assinantes da plataforma.

Os títulos do Canal Brasil que chegam à MUBI são Central do Brasil, Bixa Travesty, Heli, O Bandido da Luz Vermelha, Vermelho Russo, O Futebol, Los Silencios, Cidade de Deus – 10 Anos DepoisDomingo e Dossiê Jango. Após processar a locação, cada usuário terá 30 dias para assistir ao filme, e, após dar o play em um título, tem 48 horas para finalizar a exibição. A seção especial ‘Uma Odisseia pelo Cinema Brasileiro Contemporâneo by Canal Brasil’ estará disponível no ambiente ACERVO da plataforma e poderá ser acessada apenas via web.

A parceria com o Canal Brasil ocorre em um momento bastante positivo para a MUBI. Além de celebrar o Mês do Cinema Nacional e inaugurar o serviço de locação da plataforma, atende a inúmeros pedidos de assinantes por filmes brasileiros. “Para nós, este é um passo estratégico muito forte no país e que abre portas para novas oportunidades. É a primeira vez que conseguimos trazer um pacote de filmes nacionais e latino-americanos simultaneamente para a MUBI. Entre eles, teremos clássicos, diretores proeminentes e sucessos de bilheteria, selecionados pela grande sinergia com a nossa audiência, que se identifica com a programação do Canal Brasil”, conta Juliana Barbieri, general manager da MUBI.

Ao todo, a parceria prevê a inclusão de 40 filmes ao catálogo do ACERVO da MUBI. Entre eles, estão O Auto da CompadecidaBenzinhoComo Nossos Pais, O ProcessoTinta BrutaDivino AmorTemporadaGabriel e a Montanha e Era o Hotel Cambridge.

“A parceria entre Canal Brasil e a MUBI é mais um passo para que mais pessoas tenham acesso aos filmes brasileiros e produções latino-americanas. Do ponto de vista de conteúdo, reforça o conceito de curadoria, que faz parte do DNA das duas marcas e, do ponto de vista da estratégia, é mais uma oportunidade para buscarmos novas audiências e assinantes para o Canal Brasil”, diz Gesiele Vendramini, Gerente de Negócios e Digital do Canal Brasil.

Série sobre quarentena bate mais de 1 milhão de visualizações em menos de 24 horas

Estreou no último dia 21 “Quarentenados”, uma série criada exclusivamente para o Instagram. A instasérie conta a história de seis amigos que moram no mesmo prédio, mas decidem não se ver durante a quarentena, e se encontram todos os dias virtualmente, como um ritual.

No primeiro episódio, que bateu mais de 1 milhão de visualizações em menos de 24 horas, acompanhamos como a ideia de fazer uma festa de aniversário virtual pode, na prática, ser muito mais trabalhosa de que se imagina. Com o total de seis episódios, a série será exibida todos os domingos, as 18 horas, em sete IGTV’s diferentes (perfis do elenco e oficial da série), assim atingindo o maior número de pessoas possíveis.

“As filmagens são todas feitas de forma remota, nem todo o elenco se conhece pessoalmente, é um processo inovador. Outro ponto curioso é formato exclusivo para o Instagram, geralmente fazem para YouTube, filmado na horizontal, o nosso é um formato completamente vertical” – explica Gabi Lopes.

No elenco: Fábio Rabin (Matheus) Isabella Santoni (Sofia), Gabi Lopes (Alice), Thalita Meneghin (Júlia), Maicon Rodrigues (André) e Laddy Nada (Fernando). O projeto, que está em andamento há dois meses, é uma forma de entretenimento para retratar esse momento delicado de maneira mais leve.

É muito legal fazer parte desse projeto cheio de gente talentosa. É um privilégio voltar a atuar e principalmente por viver outro conflito e fugir dos meus em meio a esta pandemia (risos)”, conta Fábio Rabin.

“Quarentenados”, que foi produzida pela Young Republic Films, produtora audiovisual de Gabi Lopes e Daniel Tupinambá, que também é diretor da série, vai ao ar até 26 de julho.

Campanha une setor cinematográfico enquanto as salas ainda estão fechadas

Por mais de três meses, profissionais se uniram para colaborar num projeto que apoia as empresas na preparação para o momento em que as salas de cinema vierem a reabrir

Exibidores, distribuidores, produtores, criativos e parceiros da indústria se uniram em um projeto único com o intuito de preparar e implementar a retomada do cinema no Brasil. O movimento intitulado #JuntosPeloCinema, é uma ação inédita, que respeita a individualidade de cada empresa e mantém a livre concorrência. Além disso, busca ações para manter acesa a magia do cinema.

Sendo colaborar desde o final de março, o grupo de profissionais voluntários envolvidos no projeto tem como meta retomar o diálogo entre a experiência da sala de cinema e o público, de agora até o momento de reabertura das salas pelas autoridades. Sempre respeitando os protocolos aplicáveis de segurança e bem-estar já determinados ou em elaboração pelos governos locais.

A ideia nasceu dos profissionais que atuam no meio audiovisual visando auxiliar o segmento de mercado de exibição no Brasil a reencontrar seu público. As ações concretas são mediadas pela Flix Media, empresa especializada em comercialização de espaços publicitários no cinema. Conforme o time da Flix comunicava a ideia da campanha #JuntosPeloCinema, diferentes profissionais e mais players aderiam ao projeto.

Neste momento, o que importa é uma coisa: relembrar a experiência incomparável da exibição nas salas de cinema. Esse esforço coletivo e pro bono de mais de 200 profissionais do mercado em prol do cinema é fundado no propósito de oferecer um ambiente de segurança e bem-estar para o público e de preservar milhares de empregos ligados à indústria cinematográfica, do set de filmagem à sala de exibição.

Como resultado, o movimento faz grandes entregas: uma campanha de comunicação que visa fortalecer o vínculo entre o cinema e o seu público. Um estudo sobre os protocolos de segurança e bem-estar desenvolvidos por governos e autoridades de saúde dá apoio, especialmente, aos pequenos e médios exibidores para que possam reabrir as salas com pleno atendimento às diretrizes de biossegurança que são determinadas pelos governos. E o Festival De Volta Para O Cinema, que dará as boas-vindas para o público quando as salas reabrirem.

Na primeira fase da campanha – ainda com as salas sem atividades de exibição -, mais de 300 veículos de mídia abrem espaço em suas programações para divulgar um vídeo que reforça os laços do público com o cinema. O vídeo, concebido pela agência e produtora La Unión, pode ser assistido aqui. A campanha se inicia agora e segue pelas próximas semanas.

Na segunda fase, um pouco antes da data de reabertura das salas ao público – que é determinada pelas autoridades -, se inicia a comunicação sobre os novos procedimentos que acompanham toda a jornada do espectador dentro do cinema. Serão oferecidos aos exibidores materiais que explicam os protocolos elaborados pelos governos locais – eles variam de cidade para cidade ou de estado para estado.

Para esta etapa, tem sido fundamental a participação de entidades do setor como a Federação Nacional das Empresas Exibidoras de Cinema (Feneec), os sindicatos estaduais, seus associados e a Associação Brasileira de Multiplex (Abraplex). Eles acompanham a divulgação das diretrizes das autoridades competentes e estão orientando a aplicação dos protocolos.

E quando as salas de cinemas abrirem?

O movimento #JuntosPeloCinema ainda irá ajudar a esclarecer as possíveis dúvidas dos espectadores, comunicará os filmes em cartaz ou a estrear e oferecerá um conteúdo muito especial: o Festival De Volta para o Cinema, idealizado pelo crítico, curador e apresentador Érico Borgo em parceria com distribuidores e exibidores, um projeto único na história do nosso cinema.

O Festival está programado para estrear junto com a reabertura das salas. Distribuidores nacionais e estrangeiros conseguiram os direitos e as cópias digitais de filmes que emocionaram os brasileiros. São clássicos, sucessos de bilheteria e crítica que integrarão com as estreias a programação de filmes nas duas primeiras semanas após a abertura. Uma pesquisa de opinião realizada pelo movimento apontou o interesse do moviegoer em rever filmes que marcaram a história do cinema.

Entre os parceiros que estão abrindo espaço para a divulgação dos materiais estão AdoroCinema, Adsmovil, AXN, Buzzfeed, Canal Brasil, Canal Like, Cineclick, Cinepop, Elemídia, Eletromídia, Facebook, Flix Media, Folha de S.Paulo, FSign, Gameloft, Globo através da Globo Filmes, Google, Ingresso.com, JCDecaux, Megapix, MPV7, O Globo, Omelete, OTIMA, Portal Hugo Gloss, Preshow, Primepass, Rádio JB FM, Rádio Metropolitana, Rede Mix de Rádio, RedeTV!, SBT, Seedtag, Sony Channel, Spotify, Tastemade, Telecine, TV BANDEIRANTES, UOL, Veja Rio, Veja São Paulo, Velox Tickets, Viacom/CBS, Waze, Webedia. Apoio Institucional: Academia Brasileira de Cinema, Ancine, Ministério do Turismo e RioFilme.

Daniel Bydlowski fala sobre cinema pós pandemia

Divulgação | Pessoal

Como ficará o cinema pós pandemia é o tema inicial desta entrevista realizada com o cineasta brasileiro Daniel Bydlowski. Ele é membro do Directors Guild of America e artista de realidade virtual. Faz parte do júri de festivais internacionais de cinema e pesquisa temas relacionados às novas tecnologias de mídia, como a realidade virtual e o future do cinema.

Daniel também tenta conscientizar as pessoas com questões sociais ligadas à saúde, educação e bullying nas escolas. É mestre pela University of Southern California (USC), considerada a melhor faculdade de cinema dos Estados Unidos. Atualmente, cursa doutorado na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. 

Seu filme Bullies foi premiado em Newport Beach como melhor curta infantil, no Comic-Con recebeu 2 prêmios: melhor filme fantasia e prêmio especial do júri. O Ticket for Success, também do cineasta, foi selecionado no Animamundi e ganhou de melhor curta internacional pelo Moondance International Film Festival. Confira:

Olá Daniel! Muito obrigada por aceitar participar desta entrevista. Falando do cinema pós pandemia, como você acha que tudo isso ficará ? Acredita que voltará ao normal ou terá alguma mudança ?

“Acredito que a tendência é que o cinema e a televisão ficarão ainda mais repleto de efeitos especiais, que permitirá filmar atores em green screen, sem que estes precisem interagir uns com os outros”.

Como funciona o projeto Mais entretenimento, Menos Bullying?

“O cinema me ajudou muito quando eu sofri bullying na escola. Então estou levando esta mesma experiência e dando a possibilidade para alunos produzirem roteiros sobre o tema”.

Seu filme Bullies, conta a história de Eugene que sofre bullying na escola. A obra foi premiada em Newport Beach como melhor curta infantil. Você acredita que a película tenha contribuído para inspirar crianças que passam por momentos como este?

“Sim, até mesmo adultos expressaram quanto o filme foi inspirador para verem suas infâncias de maneira diferente”.

Tem algum projeto para o futuro?

“Sim, meu projeto de realidade virtual chamado NanoEden anda em frente. Este projeto se trata de um casal que tem suas memorias passadas para um computador depois que morrem. E fala de nossa dependência tecnológica”.

Pessoalmente, como tem sido lidar com o isolamento social?

“A maior parte do tempo passo conversando com pessoas pelo Zoom, escrevendo roteiros e dirigindo por Skype. Não é ideal, mas precisamos continuar de alguma maneira”.

Maite Perroni protagoniza nova série da Netflix

Divulgação

As tentações mais sombrias chegam à Netflix pelas mãos de Maite Perroni, atriz e cantora mexicana, que será a protagonista de uma história de traição, crime e paixão. A plataforma de streaming divulgou hoje o trailer oficial de “Desejo Sombrio” e o lançamento acontece no dia 15 de Julho.

Na série a prestigiada advogada e professora universitária Alma Solares (Maite Perroni) vai passar um tempo com uma amiga que está vivendo o luto de uma separação. Nesse período, ela tem um encontro ardente com um de seus alunos, interpretado por Alejandro Speitzer. Quando volta para sua família, ela decide esquecer o que aconteceu, mas as coisas não são tão fáceis como parecem.

O que era para ser uma simples aventura se torna uma paixão arrebatadora e uma obsessão perigosa, trazendo à tona segredos que podem mudar o rumo de sua vida.


A forte atração entre os personagens de Perroni e Speitzer colocará o casamento dela em jogo e trará a tona uma trama de assassinato, com direito à investigação e mistério, dificultando o público de identificar quem é culpado ou inocente nesta história polêmica. O elenco traz ainda os atores mexicanos Jorge Poza, Regina Pavón e Erik Hayser. A série é escrita por Leticia López e dirigida por Pitipol Ybarra e Kenya Márquez.

Maite Perroni ficou conhecida no Brasil ao integrar o elenco principal da novela Rebelde e do grupo musical RBD. Mais de uma década após o sucesso da novela e grupo juvenil, Maite mantém uma grande quantidade de fãs brasileiros e tem o país como um de seus principais mercados, na música e atuação.

Cinco séries da Netflix para aprender mais sobre a sexualidade humana

A sexóloga Danni Cardillo elencou cinco séries da Netflix para aqueles que estão buscando se informar mais sobre a sexualidade humana, querem apimentar suas relações ou apenas se divertir com histórias que abordam a temática sexual. As séries são perfeitas para casais e solteiros maratonarem, afinal quando o isolamento social acabar podemos estar mais educados sexualmente. 

Explicando… o Sexo

Faz parte da saga Explicando, que debate vários temas diferentes e que estão chamando a atenção das pessoas no momento, demonstra fatores ligados ao sexo de forma científica e psicológica. Entre os temas abordados na produção, sob narração da cantora e atriz Janelle Monáe, estão o parto e fertilidade, a falta de anticoncepcionais masculinos, fantasias sexuais, entre outros. Uma verdadeira aula sobre assuntos que não se falam tanto por aí. São apenas cinco episódios e está disponível na Netflix. 

Easy 

Se existe uma série que pode gerar constrangimento se você resolver assistir ao lado de seus pais, essa série é Easy. A trama conta a história de diferentes pessoas da cidade de Chicago, nos Estados Unidos, e suas aventuras românticas e sexuais. Prepare-se para ver cenas praticamente explícitas de sexo, mas que não mostram nada menos do que a realidade. 

Amizade Dolorida

A temática desta série é o sadomasoquismo, um fetiche sexual que envolve sentir dor das mais diversas formas. Além do enforcamento e outros desejos que podem ser perturbadores para uns na mesma medida em que é agradável a outros. Em “Amizade Dolorida”, o personagem Pete, interpretado por Brendan Scannel, reencontra por acaso a sua melhor amiga dos tempos da escola Tiff, papel de Zoe Levin. Nesse reencontro, ela começa a mostrar a ele um pouco de sua vida como dominatrix, profissional que faz do sadomasoquismo seu ganha-pão, ambos decidem a trabalhar juntos. Vale destacar que a série tem apenas sete episódios, que são curtinhos, de 13 a 17 minutos.

Amor e Sexo pelo mundo

Um documentário entrou na lista das melhores séries sobre sexo da Netflix, indicada para quem quer explorar o assunto e ir além. Em seis episódios, a jornalista Christiane Amanpour, da CNN, viaja para as grandes cidades do mundo para descobrir como cada cultura aborda temas envolvendo romance e sexo. Amanpour viaja para Tóquio, Deli, Beirute, Berlim, Acra e Xangai, conversando com entrevistados que contam tudo sobre o lugar em que vivem. Em uma única temporada um tour pelo mundo sexy.

Eu, Tu e Ela

Como o nome já indica, mostra um relacionamento entre três pessoas: Jack, Emma e Izzy. A história começa com Jack e Emma como um casal, até que eles conhecem Izzy, que inicialmente seria contratada apenas como uma acompanhante para apimentar a relação. No entanto, as duas mulheres acabam se apaixonando. A série aborda a temática sexual, mas também mostra como um romance moderno baseado no poliamor pode funcionar, entre dramas, problemas e prazeres. Em quatro temporadas sendo uma boa oportunidade para fantasiar aquele que é um dos principais fetiche da modernidade, “ménage à trois”. Foi se o tempo onde o sexo na TV estava restrito agora o controle está em suas mãos.

Youtuber indica cinco séries para assistir no período da quarentena

Crédito/Pixabay

É certo que o isolamento começou a ser flexibilizado em maior parte do Brasil. Mesmo assim, ainda não é hora de estarmos reunidos com muitos amigos e participando de festas. E, por isso, seguimos na maratona de séries. O escritor e Youtuber Felippe Barbosa traz algumas dicas de séries dignas de serem maratonadas. 

The Office

Para quem está sentindo falta do trabalho no escritório, uma boa comédia pode ajudar. “The Office” é uma das comédias mais aclamadas da história da TV norte-americana e com razão. A série que deslanchou a carreira do ator Steve Carrel adota um formato de pseudodocumentário, acompanhando o cotidiano dos funcionários de um escritório em Scranton, Pensilvânia, filial da empresa fictícia Dunder Mifflin, uma indústria de papel. No ambiente de trabalho mais desinteressante possível, as situações mais bizarras acontecem, capazes de tirar boas risadas de quem está com saudade dos colegas de emprego.

Pushing Daisies

Se está precisando manter distância ou evitar contato no relacionamento amoroso, trago o romance ideal. “Pushing Daisies” foi definitivamente uma série a frente de seu tempo, motivo pelo qual acabou sendo cancelada. Mas mesmo assim, a série continua sendo uma boa escolha até hoje, trazendo a história do jovem Ned, que trabalha como confeiteiro e esconde do mundo sua estranha habilidade de trazer os mortos de volta à vida com um simples toque. A questão é que seus poderes só funcionam permanentemente se ele nunca tocar novamente a pessoa ressuscitada e isso se torna um problema quando ele ressuscita a garota por quem era apaixonado na infância, se apaixonando por ela, sabendo que nunca poderá tocá-la.

Dark

Quem acha que a relação com familiares e vizinhos tem sido muito complicada em tempos de quarentena, uma ficção científica que prova como as coisas podiam ser mais complicadas. “Dark” é definitivamente a melhor série da Netflix até o momento em questão de produção e roteiro bem amarrado. Com a sua terceira e última temporada chegando esse mês na rede de streaming, a série acompanha quatro famílias vivendo numa pequena cidade alemã, que tem suas vidas pacatas interrompidas pelo desaparecimento de duas crianças e estranhos fenômenos envolvendo viagem no tempo. Após conhecer a árvore genealógica dos personagens da série, você nunca mais irá reclamar que sua família é complicada.

A Maldição da Residência Hill

Se é forçado a conviver trancafiado com os irmãos em casa, um bom exercício pode ser assistir juntos a um terror familiar. “A Maldição da Residência Hill” é um drama psicológico de horror, que acompanha os traumas de uma família que se mudou para uma casa assombrada por espíritos quando os cinco filhos eram crianças. Após a morte da mãe e uma vida tentando superar os traumas vividos na infância, os cinco irmãos juntos terão que reunir as peças do que aconteceu quando viveram na casa, e unir forças para enfrentar seus demônios interiores. Uma das obras mais emocionantes e arrepiantes do catálogo da Netflix, que tem tudo para unir ainda mais sua família durante o isolamento – seja pelo carinho, ou seja pelo medo.

Anne with an E

Para quem necessita de uma visão esperançosa e otimista sobre a vida, o drama mais fofo de todos os tempos. “Anne with an E”  também foi uma série que deixou os fãs de coração partido após seu cancelamento, mas pode-se dizer que ela teve um final digno. A jovem órfã Anne é mandada para morar com um casal de irmãos que planejavam adotar um garoto, sendo que há treze anos a menina sofria em orfanatos, sendo considerada estranha por sua imaginação fértil. Ao causar um susto inicial em sua nova família e nos colegas da nova cidade por ser extremamente criativa e inteligente, a garota passa a transformar a vida de cada uma das pessoas ao seu redor, lutando pela sua aceitação e pelo seu lugar no mundo. Em tempos onde o mundo precisa tanto de mais amor, aceitação e conhecimento, “Anne with na E” é com certeza a escolha perfeita para essa quarentena.

Apresentador francês dá dicas de filmes e séries da França para assistir na Netflix

Crédito/Reprodução

A quarentena tem sido usada para várias coisas, como por exemplo, aprender um novo idioma, a cultura de um novo país ou apenas se entreter com boas histórias. Pensando nisso o apresentador francês Benjamin Cano, que mora há mais de 10 anos no Brasil, selecionou filmes e séries franceses para assistir na Netflix.

Marseille

Estrelado por Gérard Depardieu, é a primeira série francesa produzida pela Netflix. O prefeito de Marselha se prepara para passar o poder a seu afilhado político, mas uma traição é o estopim de uma guerra sem limites pelo controle da cidade. A série já conta com duas temporadas.

A Louva-a-deus (La Mante)

Estrelada por Carole Bouquet, décadas após sua captura, uma serial killer oferece ajuda para solucionar uma sequência de assassinatos. Com uma condição: ela só trabalha junto com o filho policial.

Dix Pour Cent (Appelez Mon Agent)

Contando com três temporadas, a série se passa em uma conceituada agência de talentos de Paris, onde os agentes se desdobram para manter os astros satisfeitos — e os lucros constantes — após uma crise inesperada.

Que Mal Eu Fiz a Deus? (Qu’est-ce qu’on a fait au Bon Dieu?)

Essa comédia de um pouco mais de uma hora e meia, conta a historia de um casal católico que se adapta para conviver com os diferentes credos de seus três genros. Para completar, a última filha solteira tem um grande anúncio a fazer.

Carbono (Carbone)

Com Benoît Magimel. Prestes a perder a empresa da família, um empreendedor inicia um esquema de imposto do carbono e se envolve em uma trama de criminosos, intriga e assassinato.