Django Django assina remix de “All you leave is love”, de BERNARDO

Tempo de Leitura: 4 Minutos

Depois de surpreender com a sonoridade de jazz alternativo, indie, dream pop, pós-punk, soul psicodélico, bossa nova e dub de seu segundo EP, “Wasn’t there, someone told me”, a cantora, compositora e guitarrista inglesa de origem portuguesa Sonia Bernardo mostra novos contornos de “All you leave is love”, um dos destaques do álbum. O remix assinado pela banda Django Django explora o lado mais climático da canção, originalmente calcada na potência do vocal, bateria e guitarra. O single chega às plataformas de streaming pelo selo Seloki Records e ganha um clipe. Confira a entrevista:

Após  trazer a  sonoridade de jazz alternativo, indie, dream pop, pós-punk, soul psicodélico, bossa nova e dub de seu segundo EP, “Wasn’t there, someone told me”, pode-se dizer que achar o estilo certo das canções ou mesmo a sonoridade ideal para um albúm é de fato uma das tarefas mais difíceis para o artista?

Antes eu tentava controlar a sonoridade, agora eu tento explorar cada canção com o melhor que tenho. Tento traduzir o que quero dizer com a sonoridade que mais se aplica a mensagem. Mas ainda estou a tentar experimentar e a tentar captar a essência do meu som.

Em “Wasn’t There, Someone Told Me”, você mergulha fundo nas melodias que adora criar. As canções exploram temáticas que vão de pertencimento e identidade a autoconhecimento. Como foi o trabalho de composição das músicas do EP, que teve participação de Dave McLean?

Todas as minhas músicas no fundo são sobre pertencimento (talvez todas as músicas sejam sobre pertencimento). Eu escrevo todas as minhas músicas por conta própria e depois as toco para Dave, cuja opinião eu confio e começamos a trabalhar na produção do ponto de vista dele. Grande parte da produção é feita por mim, já que sou uma maníaca por controle, mas Dave é essencial para unir todas as minhas ideias, analisá-las e me dizer quando estiver pronto. Tenho dificuldade em decidir quando uma música está pronta, então se não fosse por ele, eu não teria lançado nada.

Quando vamos  seguindo a carreira de um artista, ficamos cientes sobre um pouco da vida dele. O que  devemos saber mais sobre Sonia Bernardo?

Sou uma londrina e filha de portugueses que, por conta do meu péssimo comportamento na escola, era colocada em diversas atividades extra curriculares. Eu odiava aquilo! Até que um dia descobri que poderia fazer música e escrever scripts (assim eu não teria que atuar). Aos 17 anos comecei uma banda de blues e era parte de mais de 6 bandas indie até que decidi seguir minha carreira solo. Eu estudei ciências na universidade, meu pai dizia que arte não era uma carreira. Tenho um gato chamado Chico. Sou Sagitariana.

Para cada artista a música tem um significado diferente. Em sua visão, o que é a canção e o que faz com que as pessoas sejam tão apaixonadas por escutá-las?

Musicas são como fragmentos de tempo que nunca voltarão, uma emoção que nunca será sentida de novo e um sentimento que só pode ser acessado através da escuta. É por isso que as pessoas fazem música e o motivo pelo qual a escutam.

Quais são os maiores diferenciais das suas canções para os outros artistas?

Eu creio que talvez o curioso fato de eu ser meio louca pelo Fado, pela música portuguesa e ao mesmo tempo os The Strokes. Talvez seja intressante. Não sei dizer se é bom ou ruim, mas é interessante.

O álbum possui misturas de muitas sonoridades. Estes ritmos são os que mais te atraem? Como trabalhou para juntá-los  até descobrir o estilo perfeito para o álbum?

Ritmos brasileiros e o afrobeat são os mais interessantes pra mim, basicamente por que é o que eu sei e o que eu cresci escutando. É o que eu gosto. Eu também escuto todos os tipos de música e e definitivamente amo muitos gêneros, desde ska, jazz, funk, fado até o alternativo. O segredo é fazer tudo isso funcionar, o que eu sinceramente sinto que as vezes não consigo conciliar. Aos poucos eu estou criando meu próprio som vindo das brisas que tenho na minha cabeça.


Saiba mais sobre: Sonia Bernardo

Autores

  • Andrezza Barros (Niterói, 21 de abril de 1995) é uma jornalista, colunista e entrevistadora do entretenimento.

  • Luca Rocha Moreira, mais conhecido como Luca Moreira, é um jornalista, escritor e entrevistador internacional brasileiro. Conhecido por suas entrevistas com mais de 500 personalidades em cinco países diferentes em seus primeiros três anos de carreira. É autor do livro "300 Histórias para Inspirar".

  • Charlotte é meu alter ego. Meu nome é Regina. Jornalista cearense, sonhadora, fã de filmes trash. A única que passou de 1° em teorias da comunicação na turma. Dona do charlotte.blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrevista

Feito Café inaugura nova fase com uma bem humorada interpretação dos perrengues da vida de músicos independentes

Tempo de Leitura: 4 Minutos Depois de um EP e uma série de singles, o duo Feito Café está revelando o projeto mais completo da carreira: o álbum “Stand-Up Drama”, antecipado pelo single e clipe “Parece”. A faixa, que versa sobre as incertezas da vida artística e os aprendizados diante das dificuldades, reflete o amadurecimento […]

Leia Mais...
Entrevista

Suzana Morales vai do samba ao experimental para refletir uma jornada completa em seu álbum de estreia

Tempo de Leitura: 6 Minutos Suzana Morales se apresenta como cantora e compositora em “Respirar”, seu álbum de estreia. Em uma metáfora da própria jornada da vida, a artista se inspira pelos aprendizados dessa caminhada e apresenta seu primeiro trabalho autoral com toda experiência acumulada. Mergulhando em uma MPB totalmente orgânica, ela une múltiplas referências […]

Leia Mais...
Entrevista

Danilo Penteado fala sobre parceria com César Lacerda em “Nova Oração”

Tempo de Leitura: 4 Minutos O multi-instrumentista Danilo Penteado segue revelando os sambas que compôs e lançou durante a pandemia, com parceiros famosos como Carlos Rennó, Maurício Pereira, Luiz Tatit, Ná Ozzetti, Romulo Fróes e Alice Coutinho como voz ou O co-autor aparece . Agora, o músico mudou de tom e guiou a bossa em “Nova Oração”, […]

Leia Mais...
%d blogueiros gostam disto: