Cinco lugares da Ilha da Madeira para conferir vistas de tirar o fôlego

Ponta do Pargo | Divulgação/Francisco Correia

A Ilha da Madeira, situada em meio ao oceano Atlântico, volta a receber turistas em 1º de julho. Embora seja relativamente pequena, com uma área de 741 quilômetros quadrados, seu território é montanhoso e atinge grandes altitudes, o que significa que há diversos pontos para apreciar suas paisagens inesquecíveis, com vistas para o mar, para a cidade, para as montanhas ou para a floresta.

As atividades ao ar livre sempre foram os pontos fortes deste destino português, e devem ganhar ainda mais força durante a retomada do turismo. Por isso, confira abaixo cinco mirantes para apreciar as belezas da Madeira.

Cabo Girão

Divulgação/Greg Snell

Talvez o mais famoso mirante de todo o destino, e com razão: ele não apenas está sobre uma parede rochosa de 580 metros debruçada sobre o mar, como também conta com uma passarela suspensa de vidro, conhecida como skywalk, que é de tirar o fôlego. De lá, os turistas conseguem conferir o oceano e Funchal, a capital da Madeira.

Farol da Ponta do Pargo

Divulgação/Francisco Correia

Enquanto o Cabo Girão fica no lado sul da ilha, o Farol da Ponta do Pargo está na ponta oeste, onde a paisagem do mar é mais selvagem. O farol em si tem 98 anos, e seu mirante fica a 312 metros de altitude. Este é o mirante perfeito para visitar no final da tarde e assistir ao sol se pôr no mar: um verdadeiro espetáculo de cores da natureza!

Pico do Areeiro

Divulgação

Diferente dos dois anteriores, este mirante fica no interior da ilha. Além disso, é bem mais alto, com 1.818 metros de altitude. É o segundo pico mais alto da Madeira, de onde é possível apreciar o cenário do maciço central do destino. Em alguns dias, os visitantes se sentem literalmente no céu, já que é possível ver as nuvens por cima.

Pico dos Barcelos

Divulgação/Francisco Corria

Situado em meio à cidade de Funchal, o Pico dos Barcelos garante uma vista diferente dos anteriores. De lá, é possível observar toda a Baía do Funchal e, nos dias mais claros, os visitantes conseguem ver até mesmo as Ilhas Desertas, conjunto de ilhas desabitadas que fazem parte do arquipélago. As grandes vantagens do Pico dos Barcelos são a localização de fácil acesso e a impressionante visão de 360 graus.

Ponta do Rosto

Divulgação

Encerrando a lista, temos Ponta do Rosto, que fica no extremo leste da Madeira. Este ponto permite observar tanto a costa norte quanto a costa sul da ilha e, em dias de sol, os turistas enxergam Porto Santo, a outra ilha habitada do arquipélago que guarda belas praias de areia dourada. Vale a pena conferir o contraste entre o mar do norte, com ondas mais agitadas, e o mar do sul, que é bastante pacífico.

Expectativas dos brasileiros para viagens pós pandemia

Foto: Pixabay

A Covid-19 teve seus primeiros casos no fim do ano passado na cidade Wuhan, na China, e tem devastado vidas por todo o mundo desde então. O isolamento social foi imposto logo que a pandemia foi decretada pela Organização Mundial de Saúde – OMS –, obrigando o fechamento de lojas, transportes aéreo e entre outros. Um dos mais afetados neste momento foi o turismo.

Em pesquisa realizada com 1.105 pessoas, pelo Falando de Viagem – um dos maiores sites especializado em turismo no Brasil -, revelou as expectativas dos brasileiros para viagens após a pandemia do novo coronavírus.

De acordo com os dados, 45,5% acreditam que as viagens de lazer poderão voltar ao normal a partir do final do ano, enquanto 17,3% acham que só voltarão a viajar no início de 2021.

Quando perguntados sobre ter receio em visitar lugares afetados pelo novo coronavírus, 54,4% disseram que sim. Enquanto 75% consideram o avião como o primeiro meio de transporte a ser usado após a pandemia, 22,9% cogitam o uso de carro, enquanto apenas 2,1% pensam em utilizar o ônibus.

Sobre voos programados para este ano, 61,3% tiveram que cancelar suas viagens por conta do fechamento. Com a volta da normalidade, 30,7% acreditam que se sentirão seguros para marcar viagens logo que tudo reabrir, enquanto 37,7% irão esperar ao menos dois a quatro meses.

Em referência ao dólar, 56,9% imaginam que seu valor estará entre R$ 4,00 e R$ 5,00.