Naiá Camargo retrata a busca da sua própria essência em single

Naiá Camargo é uma cantora contemporânea. Sua miscigenação cultural, sua paixão pela arte e sua energia forte e visceral trazem uma nova bossa a canções já conhecidas do público. Nascida em São Paulo, a brasileira com sangue Guarani, Alemão e Africano transita pela cena musical desde a juventude. Começou a estudar música aos 16 anos, na Oficina Teca Alencar, e se apaixonou pelo canto erudito. Logo depois, foi morar na Inglaterra, quando aperfeiçoou seus estudos no canto, piano e Saxofone.

De volta ao Brasil, retomou os estudos na área com as professoras Raquel Barcha, seguida por Anita Dixler e a Annick Dubois. Esta experiência possibilitou que ele pudesse trabalhar com a técnica e postura erudita para se iniciar no canto popular. Com a veia artística sempre pulsante, a cantora também se formou em Artes Cênicas pelo TUCA, enquanto simultaneamente concluía a faculdade de Economia.

Olá, Naiá, tudo bem? Primeiramente, nos conte um pouco quem é Naiá Camargo?

Naiá: Oi, tudo bem graças a Deus, espero que com vocês também. Sou uma pessoa normal, comum, com uma mulherada dentro de mim. Tem muitas mulheres dentro da Naiá e venho descobrindo cada uma delas com muita integridade. Sou uma pessoa que atuo na minha vida pessoal e profissional de acordo com meus princípios, então sou muito integra. E venho descobrindo cada uma dessas mulheres com muita intensidade, sou muito intensa.

Tudo que faço é com muita intensidade, muita verdade, buscando ser uma pessoa cada vez melhor. Acredito que somos resultado da nossa própria busca. A paz, a luz, tudo isso é uma busca diária. Humildemente tento buscar minha melhora todos os dias.

Como nasceu o amor pela música?

Naiá: A música é um tipo de expressão que o ser humano tem, dentre outras expressões. Todo ser humano é capaz de tocar, cantar, dançar, atuar, descobri tudo isso desde pequena. Como toda criança, estamos sempre brincando, cantando, dançando, e sempre senti que cantar era uma coisa muito fácil, muito natural, até intuitivo. Sempre fui uma pessoa com muito ritmo, muito afinada e não só eu percebia isso, mas as pessoas também, me elogiando. Acabei desenvolvendo melhor isso.

Mas a hora que fiquei apaixonada mesmo pela música foi em alguns momentos, me lembro de alguns, eu era bem pequena. Lembro que escutava muito Michael Jackson, e sentia que a música me levava para um outro lugar. Que não era algo realmente só da terra (risos). Uma conexão divina!

Costumo dizer que sou cantora porque esse é o meu chamado, não é uma coisa só profissional, é espiritual, algo mais forte que eu. Uma vez me falaram ‘Ah Naiá, você tem vergonha de cantar?’. E falei que não tenho vergonha, nem é nesse lugar da pessoa Naiá, é um chamado mesmo, uma missão de vida.

Então, quando era pequena, comecei a cantar desde sempre e dai escutando algumas músicas, uma delas, do Michael Jackson, Thriller e entre outras. Eu amava Michael Jackson, dançava e cantava, sentia também que a música me levava para outro lugar. Acabei casando com a música e até hoje estou muito feliz.

Você lançou o single “Onde Eu Tô?”, que retrata a busca da sua própria essência. Como tem sido a aceitação do público? Podemos esperar novos singles ainda este ano?

Naiá: Lancei “Onde Eu Tô?”, esse single lindo, essa música linda, que fala de muitas mulheres, muito de mim, de muitas pessoas, em busca da sua própria essência, você falou certíssimo. Acredito que você entendeu aquilo que eu entendi da música, porque cada um tem sua interpretação, mas é a viagem interna e externa.

A aceitação do público está sendo muito maravilhosa, o pessoal está gostando muito dessa música. As pessoas estão se identificando com a música, com a letra. E ela é uma música dançante, gostosa, ela é um bom cenário para o dia. Você pode escutá-la no carro, caminhando, ela é um bom cenário para sua mente.

E com certeza terão outras esse ano, agora estou dedicada a lançar musicas inéditas, autorais e co-autorais. Teremos novas músicas e estou muito feliz com esse processo de fazer canções junto com os compositores. Tem gente que é muito talentosa para escrever, muito mais do que eu. E fazemos assim um arranjo de… quase uma música por encomenda, muitas frases, muitas palavras, muitas ideias minhas, e a pessoa da uma forma mais musical, fonográfica para essas ideias que tenho tido.

A quarentena foi e tem sido muito difícil para todo mundo. Como tem sido para você não poder estar nos palcos?

Naiá: A quarentena para mim tem sido muito importante, muito especial essa viagem interna, essa busca incessante pela evolução, progresso, conhecimento. Agora tem sido muito mais intensa, a gente consigo mesmo. É muito difícil para todo mundo, muito difícil para mim que sou uma pessoa extremamente libriana. Sou capricorniana, mas tenho uma coisa de libra muito forte. Então, gosto de estar em conjunto, em coletivo, gosto de almoço todo mundo junto, gosto de rituais coletivos.

Mas tem sido muito importante, porque estou nesse momento de produção criativa muito fervoroso, muito frutífero. Estou aproveitando desse jeito, estou conseguindo produzir na quarentena, me conectar com todas as ideias. E transformar essas ideias, essas esperanças em música. O problema não é o problema, é o que a gente faz do problema, não é isso? O que estou fazendo do problema? Estou fazendo essa limonada que está saindo muito saborosa e muito cheirosa.

Quais são os planos para depois da quarentena?

Naiá: Para depois da quarentena, está aí uma coisa que aprendemos, a não fazer muitos planos. Acompanhamos pela mídia que tal dia ia abrir o mercado, daí não abre, tal dia ia ter a volta de não sei o que e não teve. Os astrólogos estão dizendo que o mundo vai voltar a dita normalidade à partir de abril do ano que vem. Vamos ver!

Mas uma coisa que tenho certeza que vou fazer depois da quarentena é me conectar fisicamente com as pessoas, depois que tiver uma vacina e não tiver mais risco de contaminação. Quero abraçar as pessoas, beijar as pessoas, viajar fisicamente também, porque o artista é muito alimentado por memórias, por lembranças e sou muito sensorial. Por mais que eu leia, escute, preciso sentir, tocar, precisa doer, precisa ser bom fisicamente.

Quero viajar fisicamente, que já estou viajando bastante com essas músicas todas, mas quero estar próxima das pessoas que amo. A vida nos dar uma família, umas pessoas que viram família na nossa família espiritual e eu quero estar próxima.

Deixe uma mensagem.

Naiá: Então pessoal, o que deixo para vocês é para que acompanhe a Naiá Camargo Oficial nas redes (Instagram, YouTube, Facebook, entre outros). Vou trazer algumas novidades daqui até o final do ano que vem, vou vir trazendo músicas novas, inéditas, gostosas, que estão sendo feitas com muito amor, muito prazer. E é para dar um sabor muito gostoso para a vida de vocês.

Espero que vocês curtam, aguardo o feedback de vocês. Estamos todos sempre muito conectados. Beijão!

Naiá Camargo lança single “Onde Eu Tô?”

Na última sexta-feira (14), a cantora e compositora Naiá Camargo, lançou seu novo single “Onde Eu Tô?”,  primeira canção da trilogia do início de um grande ciclo.

A melodia que retrata a busca do autoconhecimento e sua essência, de como enfrentar e viver mundo afora, imaginando formas de reinventar e renascer em seus pensamentos tentando se encontrar, já está disponível em todas as plataformas digitais. “Estou muito feliz e realizada com este novo trabalho. A letra foi escolhida a dedo e apesar de não ter escrito, ela diz muito sobre mim”, comenta a artista.

Acompanhada de videoclipe, “Onde Eu Tô?” apresenta uma constante viagem em paradoxo ao isolamento social que enfrentamos, e representado através de colagens, mostra momentos da história e diferente etnias, nem sempre vividos pela cantora.

“Cada vez que vejo o videoclipe, consigo ver figuras e lugares que eu não tinha visto anteriormente. O Renato Breder fez um trabalho maravilhoso e conseguiu transformar a letra e a poesia em um vídeo incrível” , fala Naiá.