Banco ajuda agricultores a enfrentar problemas e não desistirem de seus projetos

O produtor rural passa por adversidades em inúmeras fases da cadeia de produção do Agronegócio. Os problemas já começam nas atividades de ‘dentro da porteira’, que vão desde o cultivo até a colheita e a comercialização. De acordo com uma pesquisa publicada pela ABMRA – Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio, grande parte dos entrevistados relataram ter preocupação com variações climáticas. Problemas como pragas nas plantações e escassez de mão-de-obra também foram citados.

Pensando na oneração que essas perdas geram para o produtor a WTK – O Seu Banco Agro, quer saber de você que está na lida do campo: quais são as suas dores? O que tem feito você parar de crescer ou desistir de novos projetos? A sua dúvida e o seu problema pode ser a de muitos outros produtores, vamos formar esse elo de apoio.

Faça uma selfie contando isso para o Banco do Agronegócio do Brasil, queremos te dar a resposta que você precisa. Publique no Stories do Instagram e marque @wtkagro. Você também pode enviar um vídeo como depoimento no email [email protected]. Sua publicação poderá ser compartilhada nas redes sociais da empresa e respondida em privado. Confira a entrevista:

Hoje o maior desafio do agronegócio, é a produção no campo sem impactos ao meio ambiente, causados notadamente pelo uso de agrotóxicos, pelo desmatamento e empobrecimento do solo, queimadas, contaminação de mananciais e do lençol freático, desequilíbrio ecológico e proliferação de pragas. Quais são as ferramentas disponibilizadas para os agricultores para manutenção e sustentabilidade do solo?

A agricultura moderna está cada vez mais preocupada com a sustentabilidade do setor e a regeneração dos recursos naturais está cada vez mais em pauta: Segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) um terço dos solos do mundo está degradado, ou seja, perderam em algum grau sua capacidade de gerar serviços ecossistêmicos.

Nos últimos anos, foram difundidas, diversas técnicas que visam a manutenção e recuperação do solo: de inovações tecnológicas ao resgate de técnicas tradicionais do manejo do solo, cada vez mais busca-se a entropia dos sistema agrícolas, ou seja, a autossuficiência dos sistemas para que não seja necessário o emprego de aditivos agrícolas.

young indian agronomist at field

O desmatamento, que é o processo de desaparecimento completo e permanente de florestas, que causa também degradação do solo tem muitos desdobramentos. Que efeitos colaterais a economia sofre com o desmatamento?

Os efeitos colaterais do desmatamento na economia são amplos e atuam em diferentes setores da economia, com destaque ao encarecimento da produção de alimentos devido a necessidade do uso mais intensivo de aditivos agrícolas dado a degradação provocada nas áreas desmatadas; ao desequilíbrio hídrico que o desmatamento pode causar, provocando perdas para o agronegócio devido estiagens ou chuvas muito intensas; ao desaparecimento de espécies e o consequente desaparecimento do seu potencial econômico, seja na indústria farmacêutica, biotecnológicas ou mesmo para manter o equilíbrio do ecossistema a qual está inserida.

O desmatamento sendo um importante fator da poluição do ar também implica em custos com os danos à saúde humana: De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), são sete milhões de mortes por ano devido a problemas respiratórios causados por poluentes, como asma e o câncer de pulmão. Essas doenças além de causarem perdas irreparáveis de vidas humanas, geram custos aos órgãos públicos e à saúde.

Do plantio ao transporte, é perceptível que é necessário um trabalho em conjunto, dos agricultores, ambientalistas, engenheiros e claro dos gestores políticos das cidades e também do poder político de alta escala, para melhoria da qualidade no transporte e com campanhas de conscientização. Qual seria o fato adjacente que interfere nesse trabalho coletivo?

A cadeia produtiva do agronegócio é longa e complexa, o que pode dificultar a integração de todos os setores. As inovações tecnológicas que compõem a agricultura 4.0 atuam justamente na otimização da produção e gestão de todo processo produtivo em seus mais variados estágios.

Através de tecnologias integradas, como softwares e sistemas, é possível gerar e analisar um volume expressivo de dados, facilitando o controle e integração de todas as partes envolvidas na cadeia produtiva daquele produto. Esses sistemas que auxiliam a visualização e gerenciamento na agricultura podem ser: internet das coisas, inteligência artificial, big data e drones.

As soluções tecnológicas para o agronegócio auxiliam no combate a um dos grandes gargalos do setor: o logístico. A infraestrutura precária do sistema viário brasileiro dificulta o escoamento da produção do agronegócio, que somada a insuficiência da capacidade de estocagem do que é produzido, provocam anualmente perdas bilionárias ao setor.

A capacidade de estocagem muito abaixo da capacidade de produção significa que parte do que é produzido está sujeita ao desperdício por condições inadequadas de armazenamento, assim como na impossibilidade do produtor adiar suas vendas em busca de melhores condições de negociação. Por isso, as inovações da agricultura 4.0 auxiliam na superação desses gargalos com a geração e processamento de dados em toda cadeia produtiva, auxiliando na tomada de decisões inteligentes.

Como o agronegócio e o biocombustível trabalham juntos em correlação de forças, para o avanço endêmico do país no campo?

Os biocombustíveis são fundamentais para o desenvolvimento do agronegócio e do país. O Brasil é o segundo maior produtor de biocombustíveis do mundo, produzindo mais de 25% do etanol mundial, garantindo a segurança do abastecimento energético a preços competitivos e alternativos ao petróleo.

Sendo um setor altamente desenvolvido, a produção dos biocombustíveis tem seu início na década de 1970 como uma alternativa ao petróleo dado o choque de preço que a commodity sofreu na época. O governo brasileiro entendeu a importância de se desenvolver uma alternativa ao petróleo e criou o Proálcool, o primeiro de uma série de programas governamentais voltados ao desenvolvimento do setor no país.

Com o tema da sustentabilidade em alta, o setor ganha mais força para o seu desenvolvimento e nos últimos anos foram criados alguns instrumentos financeiros para o fomento do mercado, como a emissão dos créditos de descarbonização (CBIO) pelos produtores de biocombustíveis, o qual cada crédito equivale a uma tonelada de dióxido de carbono (CO2) que deixa de ser lançada na atmosfera por meio de combustíveis fósseis. Esses CBIOS são comercializados em bolsa de valores e servem como uma fonte de recursos para o desenvolvimento do setor.

A WTK – O Seu Banco Agro, atende a todas as esferas do agronegócio e vem incentivando os agricultores a compartilhar suas histórias e os desafios que enfrentam diariamente. Qual a importância desse compartilhamento?

Nós viemos para ser a resposta às dores dos produtores rurais, queremos dar a resposta que o nosso produtor precisa. Quando nós buscamos saber quais são os desafios é para desenvolver métodos que possam ajudar o produtor a passar por esse desafio, enfrentar esses dilemas, elaborar estratégias e fazê-lo romper.

Talvez a dor ou o desafio dele é simples de ser resolvido e nós já temos a expertise em resolver, assim ele é beneficiado.

O que é a WTK – O Seu Banco Agro?

Somos uma fintech, totalmente voltada para o agronegócio, é o primeiro Banco do Agronegócio do Brasil. Existem muitos bancos que atendem ao agro, mas exclusivamente o agro, nós somos o primeiro. Atendemos produtores rurais de pequeno, médio e grande porte, além de toda a cadeia produtiva. Primeiro, segundo e terceiro setor do agro. Entre eles, estão o transportador que faz o escoamento da safra e o outro que leva o produto final aos mercados, feiras e comércios em geral, além do próprio comerciante em abrangência escalonada. Somos digitais, mas atuamos de forma individual, somos próximos dos nossos clientes, conhecemos a história deles, sabemos do que eles precisam e das dores deles, porque viemos do agro, nascemos no agro.

Quais têm sido as maiores histórias dos agricultores que acabam parando de crescer ou desistido de seus projetos?

Há histórias de produtores que vêm trabalhando nas terras de seus bisavôs, e chega em determinado momento em que não estão mais com o controle de suas propriedades, por causa de uma quebra de safra, prejuízos na produção agrícola que requer investimentos e um recomeço, tudo isso onera. Aí, ele precisa de um empréstimo, e trabalha a vida toda para pagar esses empréstimos e qualquer deslize perdem as terras. Muitos casos como esse, são inúmeros, por isso, nós viemos para mudar essa história, queremos que o produtor tenha acesso ao capital, aos recursos para dar continuidade e ampliar seus projetos sem que seja necessário ele se render totalmente aos juros altos e abusivos. Somos um banco que tem a finalidade de devolver as propriedades rurais aos donos dessas propriedades para que possam crescer e expandir, dar ferramentas que faltam para ele crescer, seja em planejamento ou em projetos, e é claro em recursos.

Como entrar em contato e contar sua história para a WTK – O Seu Banco Agro?

Nós temos diversos canais de comunicação, estamos o tempo todo ligados em nossos clientes: redes sociais, telefone, site, email e aplicativo.

Nossas redes sociais são WTK Agro para Facebook, Linkedin, Youtube, Twitter e Instagram.

Nossos telefones são 0800.878.9559 ou 41 3500.8037.

Nosso site é o wtkagro.com.br.

Para enviar o vídeo a melhor forma é pelo email basta mandar para [email protected] ou marcar no Instagram o vídeo com @wtkagro.

Nosso app é encontrado nas lojas de aplicativos como WTKAgro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *