Star Wars: Que o 4 de Maio Esteja Com Você

Dia de celebrar e conhecer as teorias que estão por trás do filme

Crédito: Pixabay
É impossível negar que a saga Star Wars é um grande sucesso. Para os fãs da ficção, o dia 4 de maio é um motivo de celebração como “Dia de Star Wars”. Mas, você sabe a razão para essa comemoração?
A brincadeira vem de um jogo de palavras em Inglês que faz referência a uma clássica frase do filme. Na língua inglesa, quatro de maio é “May the Fourth”, frase que tem uma sonoridade semelhante à “May the Force”, que inicia umas das frases símbolo da série que significa “Que a Força esteja com você”. Com isso, surgiu a data comemorativa: “May the Fourth be with you”, traduzindo “Que o 4 de maio esteja com você”.

Agora que você conhece esse divertido “feriado informal”, você já parou para analisar que o criador George Lucas se inspirou em conceitos de diferentes religiões e também da Física – em especial da Física Quântica – para a criação da história? Será que o que é mostrado na história realmente tem embasamento?

Crédito: Pixabay

Conceito da Força


A força é um conceito fundamental, para a Física e para Star Wars. No filme “Episódio IV – Uma Nova Esperança”, o mestre Jedi, Obi Wan Kenobi diz que a Força é “um campo de energia criado por todas as coisas vivas: ela nos cerca, nos penetra; mantém a galáxia unida”.

A Força Viva é influenciada pelos sentimentos e atitudes morais dos indivíduos, o que diferencia os Jedi dos Sith. Enquanto os primeiros são da ordem de guerreiros movidos pela compaixão, bondade, altruísmo e humildade e que defende o lado da luz da Força. Os segundos,  são defensores do lado sombrio que tiveram o equilíbrio e a serenidade modificados pelo ódio, medo, ganância, raiva e maldade.

Já em “Episódio I – A ameaça fantasma” o mestre Jedi, Quin-Gon Jinn, esclarece que a Força se comunica através dos midi-chlorians – organismos microscópicos que vivem nas células de todas as coisas vivas. Além de que, a quantidade de midi-chlorians no sangue, indica a sensibilidade dele para a força. E este foi o indício para identificar uma manifestação incomum da Força no jovem Anakin Skywalker, na qual se converteu no mestre Sith Darth Vader, um dos vilões mais icônicos da história do cinema.

De acordo com o enredo, ao aprender a manipular a Força, o ser pode desenvolver telepatia, o que incluí o controle e/ou sugestão mental de outros indivíduos; empatia com quem a Força se desenvolveu; telecinese; resistência; velocidade e agilidade aperfeiçoadas; além de projeção para outros lugares; olfato mais aguçado e habilidades de cura. Os Sith, desenvolvem habilidades específicas, como eletricidade e capacidade de estrangular pessoas.

A definição de força na vida real, segundo a ciência é de um “agente físico capaz de deformar ou alterar o estado de repouso ou de movimento retilíneo uniforme de um corpo material”. E existem quatro forças fundamentais na natureza – gravidade, eletromagnética – e as duas forças nucleares – forte, fraca. Elas desempenham o papel de manter a unidade da matéria, desde átomo até planetas. Através das maneiras que estas forças atuam sobre as partículas, interagem e são mediadas que os fenômenos da Física são explicados.

O estudante de Engenharia Civil na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e produtor de conteúdo da plataforma Responde Aí, Gabriel Moreira, mostra como a Força poderia ter uma utilidade prática na vida real, se existisse tal como na série.

“Já parou pra pensar que os Jedi e os Sith podem usar a Força pra gerar momento fletor? O momento fletor é o produto vetorial da força pela distância e é responsável pela tensão de flexão, que curva e pode causar ruptura em diversos materiais”.

Entretanto, nem tudo que é narrado na saga possui base fundamentadas na Física.

Som e Chamas no Espaço

Crédito: Reprodução
Você é daqueles fascinados que imitam o ruído dos rasantes e dos disparos das naves nas batalhas no espaço entre Rebeldes/Aliança Rebelde e o Império/Primeira Ordem? Se a resposta for sim, sinto lhe informar que fisicamente, nada disso seria possível. O som não se propaga no vácuo. No espaço, não há moléculas se movimentando e não há como transmitir as ondas sonoras. 
O produtor de conteúdo da plataforma  Responde Aí, explica o motivo:
“Um vacilo da saga, é a propagação do som e das chamas no espaço. A explosão da Estrela da Morte, por exemplo, não mostra como seria na realidade. Como as chamas não podem queimar sem oxigênio e o som não se propaga no espaço, deveria ser uma explosão breve”.
Sabendo disso, as lutas e as explosões no espaço que tanto emocionam os fãs seriam silenciosas.

Blasters x Sabres de Luz

Para quem não conhece muito bem a série, os blasters são pistolas usadas pelos stormtroopers – soldados do Império/Primeira Ordem. Também por Han Solo e outros personagens integrantes da Rebeldes/Aliança Rebelde. Já os famosos sabres de luz são usados, principalmente, pelos Jedi e pelos Sith.

E acredite se quiser, é fisicamente possível rebater os disparos como os Jedi faziam para se defender dos inimigos. Assim explica Moreira, se referindo ao artigo escrito em 2012 pelo físico da Universidae de Southern Louisiana, Rhett Alain.


  
“Os Jedi desviando dos blasters e rebatendo com os sabres, é totalmente possível. É um engano achar que eles atiram na velocidade da luz. Essa velocidade já foi calculada e está em torno de 35 m/s, é fisicamente possível rebater os tiros”.
No  texto, ele concluiu que os blasters não podem ser lasers, já que teriam que ser invisíveis no espaço ou no ar limpo. Além disso, teria que viajar à velocidade da luz, onde nenhum Jedi conseguiria desviar.
Crédito: Pixabay

Pilotar na Velocidade da Luz

 Quem nunca sonhou em assumir o controle das naves como a Millennium Falcon e saltar no hiperespaço, viajando mais que a velocidade da luz? Saiba que no universo de Star Wars, isso seria possível, mas na vida real, não. 
“A questão das naves viajarem na velocidade da luz, não é fisicamente possível. Pela teoria da relatividade escrita por Einstein, somente os corpos sem massa como os fótons são capazes de atingi-la”.
Gabriel se refere ao 2° Postulado ou Princípio da Constância da Velocidade da Luz da Teoria da Relatividade Especial ou Restrita, onde afirma que a velocidade da luz no vácuo tem o mesmo valor “c” para todos os sistemas referenciais inerciais.

Conforme Einstein, a velocidade da luz no vácuo (c ≈ 300.000 km/s) não depende da velocidade da fonte emissora de luz, nem do movimento do observador, nem do sistema de referência inercial adotado. A consequência deste postulado é de que os conceitos de espaço e tempo são relativos e podem assumir diferentes valores, levando a resultados bizarros como a paralisação do tempo ou violação da causalidade para os tripulantes da nave no caso deles estarem viajando na velocidade da luz.

Isso significa que pelas leis da Física, as viagens nas naves, não depende de uma “tecnologia” mais avançada.

Esses “furos científicos” podem até irritar aos fãs, mas não diminuem a importância do filme. Além de que, obras de ficção científicas, tendem a ir além e inspiram novas gerações de cientistas e pesquisadores mundo afora.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s